Aktuelle Themen

Cirurgia plástica - de São João – Conscientização e prevenção de queimaduras

A cirurgia reparadora representa papel fundamental no tratamento de queimados. O cirurgião plástico realiza desde pequenos curativos até tratamentos mais complexos como enxertos e transplantes de pele. A área de queimaduras é tão ampla e abrangente, que a SBCP possui um Capítulo totalmente dedicado ao aprofundamento do estudo de técnicas e tratamentos e sempre contempla o atendimento aos queimados nas ações humanitárias que realiza durante todo o ano, em diversas cidades do País. Ciente de seu fundamental papel científico e social a SBCP aproveita o Dia Nacional de Luta Contra Queimaduras, 06 de junho, e lança uma campanha em suas Redes Sociais para conscientizar a população dos perigos do uso inadequado de fontes de calor em períodos de festas juninas, com o apoio da Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), Associação Médica Brasileira (AMB), Sociedade Brasileira de Cirurgia de Mão (SBCM) e Fundação IDEAH. Dados apurados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) entre 2009 e 2017 apontam aproximadamente cinco mil internações ocasionadas pelo manuseio incorreto de fogos de artifício. E o que é pior: muitas das vítimas de queimaduras, são crianças. Os festejos de São João podem representar perigo para quem descuida da segurança. Confira três dicas indispensáveis para evitar lesões ocasionadas por fontes de calor: Fogueiras devem ser acesas em local arejado e livre de rede elétrica; Fogos devem ser adquiridos em empreendimentos regulamentados; Mantenha crianças afastadas de atividades perigosas. A prevenção é fundamental. Compartilhe com os seus amigos. A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e todos os apoiadores desta campanha investem no desenvolvimento científico contínuo para a recuperação da funcionalidade e autoestima dos pacientes afetados. Lembre-se a prevenção é o melhor cuidado. Divirta-se com responsabilidade.

Cirurgia plástica: tema pele

Themen

Organização dedicada a promover a segurança dos pacientes e mudanças na legislação global.   A Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS)) emitiu um alerta para todos os indivíduos que buscam procedimentos cirúrgicos estéticos mais baratos, particularmente fora do seu país de origem, e especialmente nas mãos de praticantes não licenciados que operam sem certificação de órgãos reguladores de cirurgia plástica, como a própria ISAPS. Em vista de duas mortes recentes de cidadãs do Reino Unido que viajaram para outros países para realizar procedimentos estéticos com cirurgiões não certificados, a ISAPS também está pedindo mudanças globais na legislação para evitar mortes trágicas e desnecessárias como estas e garantir uma maior segurança dos pacientes.   “Cirurgia estética no exterior pode ser muito perigosa porque os padrões variam de um país para o outro. É essencial que os pacientes procurem por cirurgiões plásticos certificados pelos conselhos de medicina locais, independentemente de onde forem realizar o procedimento”, apontou o Dr. Susumu Takayanagi, Presidente da ISAPS. “A segurança dos pacientes é a nossa maior prioridade. A adesão a ISAPS é exclusiva para cirurgiões plásticos certificados pelo conselho de medicina, que devem, ainda, ser membros de sua respectiva sociedade de cirurgia plástica nacional.”     Há mais de cinco anos, a ISAPS estabeleceu um símbolo da segurança do paciente, um diamante formado por quatro fatores que são críticos para a prática segura da cirurgia estética:        • Procedimento: Escolha um procedimento que é ideal para você. Pesquise extensamente e tenha expectativas realistas. Se você vai realizar diversos procedimentos, tenha certeza de que a cirurgia pode ser finalizada em uma quantidade segura de tempo. Um procedimento estético típico pode ser finalizado em 1 a 3 horas. Uma combinação de procedimentos não deve demorar mais do que 5 a 6 horas.        • Paciente: É essencial que o cirurgião plástico realize uma avaliação médica para determinar se você tem riscos de complicações ou se é um mau candidato a cirurgia estética. Revele qualquer problema de saúde e/ou procedimentos anteriores que você realizou.        • Cirurgião: Escolha um cirurgião que seja licenciado pelo conselho de medicina local, com experiência no procedimento pelo qual você vai passar e que possua um excelente histórico médico de segurança. Verifique as credenciais de treinamento com o conselho de medicina do país dele.        • Ambiente Cirúrgico: Os padrões variam de acordo com o país. Se a cirurgia será realizada em um hospital, tenha certeza de que o hospital é creditado ou credenciado pelos órgãos locais. Peça por informações de certificado e o nome do corpo de certificação. Se um centro cirúrgico ambulatorial será utilizado, procure saber se ele é credenciado pela Associação Americana para Credenciamento de Cirurgia Ambulatorial Internacional (American Association for Accreditation for Ambulatory Surgery Facilities International (AAAASFI)), por uma organização internacional que oferece credenciamento de instalações cirúrgicas ou um corpo similar de credenciamento e acreditação.   “Pacientes são presas de praticantes não licenciados por causa da concepção errônea de que qualquer indivíduo com um diploma de medicina pode realizar qualquer procedimento cirúrgico com segurança. Há uma necessidade de os países estabelecerem regulamentações rígidas  controlando quem pode realizar procedimentos de cirurgia plástica e os ambientes de cirurgia em que são realizados de modo que se reduzam complicações cirúrgicas e mortes”, explicou o Dr. Michael C. Edwards, membro do Comitê de Segurança do Paciente da ISAPS (ISAPS Patient Safety Committee) e presidente da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética (American Society for Aesthetic Plastic Surgery).   O Dr. Nigel Mercer, presidente da Associação Europeia de Sociedades de Cirurgia Plástica Estética (European Association of Societies of Aesthetic Plastic Surgery (EASAPS)), vice-presidente da Associação Britânica de Plástica Reconstrutiva e Cirurgiões Plásticos Estéticos (British Association of Plastic Reconstructive and Aesthetic Plastic Surgeons) e ex-presidente da Associação Britânica de Cirurgiões Plásticos Estéticos (British Association of Aesthetic Plastic Surgeons) afirmou: “Qualquer paciente que está planejando viajar longas distâncias para realizar uma cirurgia estética deve ser alertado de que está correndo riscos maiores do que correria ao procurar um cirurgião certificado mais próximo de casa. Se ele insistir em viajar para outro país, é imperativo que escolha um cirurgião licenciado que irá lhe providenciar o procedimento, cuidados pós-operatórios e conselhos; não apenas uma operação. O único jeito de encontrar cirurgiões certificados internacionalmente pelo conselho de medicina é pelo website da ISAPS. Recomenda-se também que os pacientes perguntem ao cirurgião que seguro ele possui caso ocorram complicações após o procedimento.”   Fonte: PRWeb Crédito da Foto: Best In Plastics via Compfight cc ...
Assimetria mamária afeta a auto-estima e a saúde emocional, reporta a revista Cirurgia Plástica e Reconstrutiva   Diferenças no tamanho dos seios impactam significativamente a saúde mental de garotas adolescentes, afetando a auto-estima, o bem-estar emocional e a capacidade de interação social, informa a edição de dezembro da Cirurgia Plástica e Reconstrutiva, revista médica oficial da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (American Society of Plastic Surgeons (ASPS)).   Mais do que uma “questão estética”, a assimetria das mamas pode ter efeitos psicológicos e emocionais negativos , de acordo com o estudo do Dr. Brian I. Labow, cirurgião membro da ASPS, e outros profissionais do Hospital Infantil de Boston. Eles sugerem que a intervenção precoce pode ter benefícios para a saúde mental até mesmo de mulheres jovens com diferenças relativamente moderadas no tamanho dos seios.   Impacto da Assimetria Mamária na Saúde Mental de Garotas Adolescentes   Os pesquisadores avaliaram a capacidade psico-social e a qualidade de vida associada à saúde de 59 adolescentes e jovens mulheres (12 a 21 anos) com assimetria mamária. Em todas as pacientes, os seios diferiam em pelo menos um tamanho de sutiã. Avaliações similares foram realizadas em um grupo de garotas que não sofriam de assimetria mamária e em outro de garotas que sofriam de hipertrofia mamária (crescimento excessivo dos seios).   A idade média era de 17 anos em todos os grupos. Cerca de 40% das garotas com assimetria mamária possuíam mamas tuberosas, uma malformação congênita em que os seios não se desenvolvem normalmente.   Diversos aspectos da saúde mental e bem-estar eram inferiores para garotas com assimetria mamária, comparados aos das garotas com seios “normais”.     Após adaptações para diferenças no peso corporal, a assimetria mamária foi associada com pontuações significativamente menores para bem-estar emocional e auto-estima.   As diferenças foram similares para garotas com hipertrofia mamária, outra condição comum que possui impacto conhecido na saúde mental. A assimetria mamária também foi associada com questões de “fronteira” nas interações sociais, comportamentos alimentares e atitudes.   Não Apenas Uma “Questão Estética”: Intervenção Pode ter Benefícios na Saúde Mental   Diferenças no tamanho dos seios são comuns, especialmente no início da adolescência. Os seios normalmente se igualam com o tempo, mas em algumas garotas a diferença persiste mesmo após a puberdade. O novo estudo é o primeiro a focar no impacto da assimetria mamária na saúde mental.   “Estes resultados sugerem que pacientes sofrendo de assimetria mamária possuem bem-estar emocional mais pobre e auto-estima menor do que os das outras mulheres,” escreveram o Dr. Labow e co-autores. Eles observaram que o impacto na saúde mental é similar tanto para garotas com assimetria mamária moderada quanto para garotas com assimetria mamária mais severa.   Os efeitos psico-sociais são semelhantes aos que garotas com seios excessivamente grandes sofrem, assim como garotos que sofrem de crescimento das mamas (ginecomastia) e mulheres com diferenças nos seios devido à cirurgia de câncer de mama. Os pesquisadores notam que apesar de provisões do governo assegurarem cobertura dos planos de saúde para a cirurgia que corrige assimetria mamária em sobreviventes do câncer de mama devido a efeitos psicológicos conhecidos, o mesmo não acontece para jovens mulheres com assimetria mamária congênita. Como resultado, o tratamento em adolescentes normalmente não é reembolsado pelos planos, com a justificativa de que não há “deficiência funcional”.   “A obsevação do efeito prejudicial da assimetria mamária no bem-estar emocional de adolescentes com esta condição pode indicar a necessidade de intervenção precoce para minimizar resultados negativos,” escreveram o Dr. Labow e co-autores. Eles notam que isto não significa necessariamente intervenção cirúrgica, especialmente para as garotas mais jovens, para as quais aconselhamento e apoio seriam mais apropriados.   No entanto, para as garotas que terminaram de se desenvolver e ainda possuem uma assimetria mamária, a correção cirúrgica pode trazer benefícios emocionais importantes.   “Apesar de existirem barreiras substanciais para o tratamento, a avaliação e intervenção precoces podem ser benéficas para estas pacientes e deveriam incluir controle do peso e aconselhamento psicológico,” concluem Dr. Labow e seus colegas.   “Este importante estudo foi capaz de concluir que a assimetria mamária, que infelizmente é classificada com frequência como um problema estético, é, na verdade, uma condição com efeitos psicológicos e emocionais duradouros, assim como a hipertrofia mamária,” comenta o editor-chefe da revista, Dr. Rod J. Rohrich.   Fonte: ASPS Crédito da Foto: Collin Key via Compfight cc ...
Todo verão lemos notícias sobre a importância de aplicar protetor solar diariamente. Se você é uma das muitas pessoas que gosta de um belo bronzeado durante as estações mais quentes, então este pode ser um conselho fácil de ignorar – afinal, o que pode haver de tão ruim em não passar o protetor por um ou dois dias na semana?   Após ler um novo estudo publicado no Annals of Internal Medicine, você irá rever seus conceitos. O novo estudo sugere que aplicações regulares de protetor solar podem fazer uma grande diferença na aparência da sua pele.   Pesquisadores reuniram um grupo de indivíduos com idade inferior a 55 anos e pediu-lhes para aplicar protetor solar com FPS 15 ou superior nas regiões da face, pescoço, braços e mãos todas as manhãs após o banho, após passar algumas horas sob a luz solar direta ou após transpirar muito.   Enquanto, outro grupo foi convidado a aplicar protetor solar “a seu critério”.   Para atuar como um grupo de controle, alguns participantes receberam pílulas de placebo ou suplementos de B-caroteno diariamente.   Os pesquisadores levaram impressões do dorso das mãos dos participantes no início do estudo e novamente quatro anos e meio mais tarde.  Estas impressões foram capazes de mostrar alterações microscópicas na pele, incluindo os sinais de envelhecimento.   De acordo com o Wall Street Journal, os participantes que usavam protetor solar diariamente demonstraram 24% menos de envelhecimento da pele em comparação com os indivíduos que foram autorizados a aplicar loção a seu próprio critério.     Anos em que o sol O estudo é um encorajador para que os jovens entendam a importância de proteger sua pele do sol. Mas e aqueles de nós que já começaram a mostrar sinais de envelhecimento da pele? Embora ainda seja uma boa ideia aplicar protetor solar para evitar novas rugas apareçam,  outra opção é marcar uma consulta com um cirurgião plástico credenciado para discutir as opções antienvelhecimento e entender quais os melhores procedimentos para o rejuvenescimento da pele.   Fonte: ASAPS ...